Conheci a Mayra Dias Gomes!!!

Mayra Dias Gomes é uma escritora de 29 anos, filha do dramaturgo Dias Gomes. Nasceu no Rio de Janeiro, mas mora atualmente em Los Angeles com seu marido Coyote Shivers (o Berko do filme Empire Records). Aos 19 anos, teve seu primeiro livro publicado pela editora Record, o Fugalaça, que foi escrito durante a sua fase de depressão, e tornou-se um clássico da literatura underground.

Ela está no Brasil, e promoveu dois encontros com seus fãs. Eu fui no de São Paulo!

Linda né? Parece uma pin-up!

Além de Fugalaça Mayra tem outros 3 livros publicados

  • Mil e Uma Noites de Silêncio (2009)
  • Dias Gomes (2012)
  • Finalmente Famosa (2015)

Fugalaça

Conheci o livro Fugalaça em 2012/2013, quando uma amiga do trampo comentou comigo, e disse que eu ia gostar. Só fui ler bem depois, porque estava difícil de encontrar, esgotado em todas as livrarias que eu fui. Acabei comprando a versão e-book.

SINOPSE

FUGALAÇA é um retrato da juventude contemporânea e de seu desespero. Mas é também a história de uma garota. Em seu mundo nada cor-de-rosa, ela vive em algum lugar entre o prazer e a angústia. E caberá ao leitor condená-la ou absolvê-la. Utilizando uma linguagem pop, ágil e atual, Mayra surpreende ao contar a história de Satine, uma espécie de alter ego que mergulha fundo no clichê sexo, drogas e rock’n’roll depois de perder o pai aos 11 anos e ver sua entrada na vida adolescente tomar novos rumos. Uma estréia arrebatadora, FUGALAÇA traz em suas páginas a intensidade da juventude e o quanto ela pode ser libertadora e cruel.

Fonte: Amazon

Eu curto histórias junkies, mas fico um pouco frustrada por encontrar apenas protagonistas homens. São poucas as histórias assim com mulheres, ou escrita por mulheres. Além de Fugalaça, só lembro de Máquina de Pinball da Clara Averbuck (que ainda não li porque está sempre esgotado, mas vi o filme). Christiane F não conta porque não é obra de ficção.

Fugalaça rapidamente se tornou um dos meus livros preferidos, e passei a acompanhar a Mayra em todas as suas redes sociais. Ela é muito ativa na internet, e isso a torna mais próxima dos fãs. Foi pelo twitter que eu soube dessa visita ao Brasil.

Importante dizer que quem assina a orelha do livro, é outra escritora maravilhosa: Fernanda Young.

Meeting

O encontro foi no Astor Bar, na Vila Madalena dia 15/07 (último sábado). Fiquei muito feliz em conhecê-la, e mais ainda por confirmar que ela é uma pessoa extremamente simpática e atenciosa. Fala com todo mundo, autografa quantos livros ou revistas você levar, tira foto com todo mundo, conversa sobre tudo, amei demais! ❤

Se você ainda não leu Fugalaça, dá uma olhada porque o livro é ótimo! Quem tem o kindle, pode baixar uma amostra do livro antes de comprá-lo. 😉 #fikdik

Boas resenhas sobre Fugalaça

Babi Dewet

Digestivo Cultural

 

SHOW DO AS INFINITY

Fazendo esse post só prá dizer que realizei o sonho de ver o show de uma banda que adoro: DO AS INFINITY.

Conheci o DAI há anos atrás, quando era fã de anime. A banda tem 2 músicas na trilha de Inuyasha (Fukai Mori e Rakuen). A fase otaku passou, mas continuei fã.

Em 2005 eles se separaram e entraram num hiato. Minha chances de vê-los ao vivo era de ZERO.

Duas semanas antes do Anime Friends 2017, eu estava no facebook, e soube que eles tocariam no primeiro dia da Friends. Essa informação apareceu no meu feed DO NADA. Eu nem curtia a página do evento, porque há anos parei de ir, então, não sei o quê foi que algoritmo louco do facebook fez, que a informação apareceu prá mim.

De qualquer forma: MUITO OBRIGADA! Fiquei muito feliz! 🙂

DSCN8484
Membros fundadores
DSCN8561
Ryo Owatari
DSCN8523
Tomiko Van
DSCN8452
A banda

COMPRINHAS NA IKESAKI!

Sábado passado estive na Ikesaki para comprar algumas coisinhas básicas.

Como meu xampu já tinha acabado, e eu fui de última hora, não planejei o que ia comprar, e acabei decidindo lá na loja mesmo (isso nem sempre dá certo, cuidado!).

O melhor dia para ir na loja, como a maioria já deve ter percebido é o SÁBADO. Sim, porque algumas promoções aparecem somente no sábado (no Bom Retiro também acontece isso).

Pois bem, vamos às compras.

XAMPU E CONDICIONADOR DIVA WOW (1 LITRO)
Comprei o DIVA WOW da Seduction. A única coisa da marca que eu havia usado era o óleo de coco (que aliás, estava por R$ 15,00

kit-shampoo-condicionador-diva-wow--cronograma-3em1-1l-seduction

naquele sábado), e achei muito bom!
Resolvi arriscar e comprei o xampu e o condicionador, que estavam na promoção por R$ 36,00. 1 litro de xampu e 1 litro de condicionador. É produto para mais de metro!

 

 

Segundo a embalagem, essa linha é ideal para quem faz o cronograma. A fórmula possui 3 ingredientes principais que valem a pena ser citados: Óleo de Coco, Whey Protein e D-Patenol.

Bora testar!

ÓLEO DE COCO EXTRA-VIRGEM SOFT HAIR (200 ml)
Finalmente comprei o famoso óleo de coco, estou louca para experimentar. Eu já tinha usado o óleo de coco da Seduction, como comentei acima, mas este aqui da marca Soft Hair, é mais concentrado. Tanto é que ele solidifica facilmente, e também volta a ficar líquido com a mesma facilidade.

Estou morrendo de vontade de testar. Vou usar para umectação e ver no que dá!

ÓLEO-DE-COCO

O produto tem uma embalagem linda, é de vidro, parece com aqueles copos de vidro que estão na moda atualmente sabe? Aqueles que têm uma tampa de metal. Enfim, além de reusável (acho que não tem problema usar novamente), o cheirinho do produto é muito bom. Só vou poder falar sobre a eficiência depois que testar mesmo.

Paguei R$ 19,90 numa embalagem de 200ml.

ÓLEO DE COCO BOMBAR INOAR (30 ml)
Estou sem reparador de pontas, e resolvi apostar no óleo de coco como tal (os preços estavam parecidos, ia dar na mesma).

oleo-de-coco--bombar-coconut-30ml-inoar

Comprei esse vidrinho da Inoar, com 30ml por quase R$ 10. Infelizmente não lembro mais do preço, mas era uma promoção também (vi no site que o preço antigo era R$ 18,75). O xampu e condicionador de 1 litro da mesma linha também estavam em promoção por R$ 36,00 (arredondando).

Já testei esse óleo na saída da loja! Passei nas pontas do meu cabelo que estão mais secas que o Deserto do Atacama, e meu, o resultado foi instantâneo e super visível. Na hora já deu uma hidratada louca! Fiquei super feliz. Estou pensando em talvez abandonar os reparadores de ponta, e substituí-los de vez por óleo de coco.

Só não gostei do cheiro, parece sorvete de coco, sei lá.

MAS VALE SUPER A PENA!

HIDRATANTE JOHNSON (200 ml)

Todo mundo precisa dlocao-hidrtante-johnsons-softlotion-lavanda-e-camomila-200ml_zoome hidratante para pele né, principalmente no frio, que algumas pessoas ficam com a pele mais ressecada, como eu.

Aqui não há nenhuma novidade sobre o produto, apenas o fato de que 3 hidratantes de 200ml da Johnson, estavam saindo por aproximadamente R$ 20,00 (um só custa R$ 10,00). Digo aproximadamente, porque eu joguei a nota fora e esqueci a droga do preço. Fiz o cálculo na hora, e 3 hidratantes de 200ml, saíam mais barato que 2 de 400ml da Nívea, que também estavam na promoção. A diferença era de quase R$10,00, e 100ml.

 

E aos 45 do segundo tempo…

BATOM MAYBELLINE
Estou no caixa pagando as contas, quando noto que alguns batons da Maybelline estavam ali por R$ 10,00!!!

Se não me engano, a linha é a Color Sensational, e o preço normal é R$ 29,90.

Não pensei duas vezes e comprei. Estou na febre do batom roxo, e o Benedito estava lá, me esperando, para que eu o levasse para casa.

Comprei né!

Então é isso gente. O post foi mais para que vocês fiquem sabendo que está valendo a pena ir na Ikesaki nestes dias (sempre vale, na verdade), porque estão rolando muitas promoções. Mas é legal você ir com sua lista em mãos, sabendo o que vai comprar, senão já viu!

Detalhes: a loja que eu fui é a da Galvão Bueno (que fica à direita da feirinha, em frente ao Shopping Sogo), no dia 03 de junho.

Então vai lá, tira um sábado para dar uma volta na Liba, comer algo na feirinha, e visite a loja que é felicidade garantida!

Beigos!

Baladas góticas em São Paulo

Segundo post em comemoração ao World Goth Day!

Como hoje é quarta, pensei em citar algumas baladinhas gótekas de sampa, assim você pode se programar para ir em alguma delas, caso ainda não conheça.

Confesso que tive um trabalho maior do que imaginei, porque muito rolê que eu já fui um dia na minha vida, estão atualmente fechados e eu nem sabia (prá vocês verem como faz tempo mesmo que não faço rolê gó).

A lista é curtinha, mas é de coração 🖤

#partiu!

BALADAS/FESTAS GÓTICAS EM SÃO PAULO

1 – MADAME SATÃ (BALADA)
A casa mais manjada quando o assunto é balada gótica. O Madame é um ícone, não apenas da subcultura, como também da cidade de São Paulo. Tem mais de 25 anos, já passou por muitas fases, e tem muita história para contar. Se você nunca foi, reserve um fim de semana para ir e conhecer a casa. E se você é de fora de Sampa, preciso nem dizer que sua obrigação é ir ao Madame quando estiver por aqui.

Eles têm página no facebook, e lá você consegue ver a programação.

Endereço:
Rua Conselheiro Ramalho, 873 ­ – Bela Vista
2 – OLGA 17 (BALADA)
Eu ainda não fui nessa casa. Conheci há pouco tempo, e sei que é nova, mas não sei exatamente quando foi inaugurada. Pelo o quê vi nas fotos, o ambiente parece ser bom. O dia que eu for numa festa lá, faço uma post com as minhas impressões.

Página no Facebook

Endereço:
Alameda Olga, 217 – Barra Funda

3 – VIA UNDERGROUND (FESTA)
Essa festa eu conheci recentemente também. Apesar de acontecer há algum tempo, eu nunca tinha ido. No dia do encontrinho Nosferô, a Rúbia ia discotecar nessa festa, então, muita gente que esteve no picnic, imendou o rolê. Incluindo eu.
Eu já tinha ido no Cambridge, em outra festa, então já sabia como era lá e tal, não tem muito o que falar.
O Via Underground faz festas todos os finais de semana, às vezes com temas variados (fds passado era homenagem à Sioux, que completou 60 anos). A entrada de menores é permitida, porque a festa termina antes da meia-noite. Então, se você ainda não tem 18 e quer ir pro rolê, aqui tem uma ótima opção.

Página no Facebook 

Endereço:
R. Álvaro de Carvalho, 35 – Centro (Metrô Anhangabaú)

PEDRA DA MINA (MINAS GERAIS)

TRIP: Trekking na Pedra da Mina (MG)

No último final de semana, eu fiz um trekking de verdade, fui subir a tão famosa Pedra da Mina.
Eu tinha decidido que queria fazer uma coisa mais hard do que as que eu vinha fazendo, então resolvi me jogar.

IMG_9038
Olha que céu lindo na estrada …

A Pedra da Mina, que fica na cidade de Passa Quatro em Minas Gerais, é o quarto pico mais alto do Brasil, possui 2798 metros de altura. Está no meio do caminho da Travessia da Serra Fina (geralmente o trajeto é: Capim Amarelo, Pedra da Mina e Pico dos 3 estados). Possui mais ou menos 19km (subida e descida). Não precisa saber escalar, mas tem escalaminhada, e nessas horas o bastão pode atrapalhar um pouco.

A trilha não é nada fácil, portanto se tem vontade de fazer, prepare-se bem.
Confesso que subestimei a dificuldade, porque tudo que me falaram que era difícil eu fiz calma e sossegada, não fiz correndo, mas fiz de boa.

Ida

A trilha começa com 1500mt de altura, portanto temos menos de 1300mts para subir.

1300mts BEM HARD.

A subida é bastante exigente, então esteja com as pernas preparadas.
O início não tem muito desnível, é bem sossegado, nem precisa usar os bastões de caminhada. Você vai passar por dois riachos, onde poderá pegar água, até chegar ao acampamento base, que já está na altura dos 2000mts.
E é depois daí que a trilha começa de verdade!

Depois da última parada para água, no acampamento base, você terá de subir, numa escalaminhada, o famoso Deus me livre (que foi a pior parte para mim). Acho que é a parte mais complicada mesmo, e fico feliz que seja logo no início. Dependendo do horário em que você começou a trilha, a hora que você chegar no Deus me livre o sol estará a pino, então, não esqueça o bloqueador. Neste trecho o descanso é debaixo do sol mesmo, não há sombra.

13906697_10157237029955405_1080307135390993081_n

O Deus me livre não tem esse nome por acaso, esse morro é muito cansativo, você faz tanto esforço com as pernas, que quando pára lá em cima para descansar, entende que o nome faz todo o sentido.

Ainda bem mesmo que é logo no começo.

Depois de subir o Deus me livre, após caminhar algum tempo, haverá uma descida, que te leva até o bambuzal, lá também é uma área de camping. Aqui sim você vai encontrar uma sombra para descansar. Aconselho descansar direito aqui, pois apesar de estar próximo do fim, ainda tem mais subida, e esta é a única sombra que você vai encontrar, até passar por aqui de novo na volta.

Vencendo este segundo morro… Pronto, você já está quase lá!

Então, o caminho não é tão longo, mas a gente faz tanto esforço físico por conta dos desníveis, que os mais ou menos 8km parecem 100!!!

13934809_10208232272063118_4659362332121396271_n_edit
Essa foto é da volta

Acampamento e ataque ao cume!

Nós não acampamos no pico, acampamos no pé.
Subimos para ver o sol se por. Lá em cima é incrível e faz um vento violento! Imagino que quem tem o sono leve não consegue dormir direito com o barulho que o vento deve fazer na barraca.

Do alto da Pedra da Mina você consegue ver outros picos famosos como: Pico das Agulhas Negras e Marins (prá citar só 2), e a cidade de Queluz, além de Passa Quatro, que ficam mais visíveis à noite, por causa das luzes.

EDIT-3823
Assinando o livro do cume

No pé do cume, onde acampamos (base 1), o vento é forte, mas um pouco mais moderado. De noite faz muuuito frio!!! Eu não sei quantos graus fez naquela noite, mas consegui dormir bem no meu saco de dormir, que é para 15°C. Além do conjunto de fleece, usei uma calça legging e uma meia-calça, sem este reforço eu acho que não teria conseguido dormir. A minha amiga de barraca usou aquecedores, mas eu fiquei ok sem eles.

Do lado de fora da barraca tem que estar de toca e luva, senão você congela!

13921135_10208232274463178_8337742635181505198_n
Nosso acampamento

Retorno

A notícia boa, é que tudo aquilo que você subiu na ida, você vai descer na volta. Então só existe um morro para subir (que não é tão íngreme), e não haverá escalaminhada (HELLYEAH!).

Só que a descida geralmente exige mais do seu joelho, e da sua força física (a subida exige mais do seu fôlego), então para muitas pessoas, as descidas são piores. Eu sofri muito mais na descida do que na subida, teve hora que eu estava me arrastando debaixo daquele sol. Mas não tinha como desistir né, senão eu ia ter que morar lá no meio da trilha, haha!
No dia da descida eu tinha acordado mais gripada, então estava com aquelas dores no corpo que a gripe provoca, as mesmas que eu senti quando estava subindo. Tomei um antigripal (que não passa de um placebo) e fui! Sofri bastante, mas deu tudo certo.

13903420_10208232272263123_4182310144493671710_n
Retorno

Toda a escalaminhada que foi feita na subida, agora vira um tobogã, então se você tiver luvas, é legal colocá-las, porque você certamente vai ter que se segurar nas pedras para não escorregar, além de ter que usar o quinto apoio! Cuidado para não rasgar a calça 😛 Tome cuidado na descida, porque a sua mochila pode acabar te tombando para a frente, e cair de cara com as pedras não é bom!

Considerações finais:

– Esqueci de cortar as unhas e perdi pelo menos umas 6 durante a aventura, haha 😛

– Fora as unhas dos dedões do pé, que vão cair.

– Escalaminhada é um saco!

– Todos os pontos de parada proporcionam uma vista muito bonita da Serra da Mantiqueira devido à altitude, vale a pena ficar um tempinho a mais na parada para tirar foto! (Uma panorâmica é o quê há!)

– Eu sinto bastante calor, então teria feito de shorts tranquilamente. Mas a vegetação pode te arranhar, então se você prefere voltar com as pernas e braços sem arranhões, vá com calça e blusa de manga comprida.

– Como todo mundo já sabe, é possível acampar no cume. Mas o vento lá é violento!

– A subida para a Pedra da Mina é muito exigente, então esteja com as pernas e joelhos bem preparados.

Eu fiquei meio desanimada de ter ficado tão cansada e ofegante (valeu gripe!), mas não posso esquecer que esta foi a minha primeira experiência subindo um pico realmente alto, e não só isso, é o 4° mais alto do Brasil. Eu subi gripada o pico considerado o mais difícil para muita gente e deu tudo certo!
Se você tem alguma dúvida sobre fazer ou não, minha dica é: FAÇA.

É difícil, mas não é impossível! E a satisfação que você vai sentir depois compensará todo o esforço.

DSC_3819
Livro do cume
EDIT-3870
Nascer do sol
Praia do Bonete em Ilhabela

TRIP: Trekking em Ilhabela (Bonete e Castelhanos)

Vou contar abaixo sobre como foi o trekking que fiz em Ilhabela no reveillon. Se você está afim de uma experiência diferente no final do ano (ou qualquer outra época), eu super recomendo acampar no Bonete ou em Castelhanos.


DIA 1 – ILHABELA / TRILHA / BONETE

IMG_6872

Chegamos ao litoral, pegamos à balsa para Ilhabela e almoçamos antes de começar a trilha. Ainda tínhamos um percurso de quase uma hora de ônibus na própria ilha, para chegar até o início da trilha, que tinha uma pouco mais de 10km.

A praia do Bonete abriga por volta de 270 pessoas (de acordo com as informações espalhadas pela ilha). Não há luz elétrica (somente através de geradores), e também não há sinal de internet (não em todo lugar), mas se você precisar, há um ponto de wifi gratuito em frente uma pequena escola, que todos chamam carinhosamente de “lan house”, é bem fácil de achar, fica muita gente em pé ali usando a internet.

IMG_0120 (2)
Bonete

O fato de a praia não ser badalada, a torna muito especial. Claro que talvez você encontre turista sem noção invadindo o espaço do outro com sua falta de educação ou suas músicas incômodas, mas isso é bem raro. Quem busca fugir dos lugares óbvios tem na praia do Bonete uma ótima opção.

As únicas formas de chegar até a praia são pela trilha, ou de barco, onde se não me engano é cobrado um valor de aproximadamente 70$ por pessoa. Sinceramente acho que ir pela trilha agrega muito mais à experiência, do que ir de barco.

O ideal é começar a trilha bem cedo, para que você consiga apreciar a vista, e também para que não termine a trilha à noite. Não é perigoso, mas à noite você perde toda a vista. Alguns pontos são bem altos e a vista é incrível. Vale muito a pena! Mas se a noite cair e você ainda não tiver terminado, terá a companhia dos fofíssimos vagalumes que ficam pousando na nossa roupa. Também aconselho a levar lanterna, uma boa lanterna!

IMG_6842
mirante

Na praia existem pousadas, e áreas de camping. Alguns campings com água quente e cozinha, e soube de uma pousada que possui até banheira. Ou seja, há opções bastantes para todos os gostos.

Se o seu camping não possui cozinha, você pode tomar café da manhã em alguma das pousadas, ou nos estabelecimentos dos caiçaras (onde eu tomei café todos os dias). Eu sinceramente recomendo o café dos caiçaras, primeiramente pelo valor, e também pelo fato de ter a opção de pão caseiro ❤

IMG_0119_edit

Um dos cuidados que você deve tomar é com os borrachudos. Repelente bom mesmo é o óleo de citronela, que se você não comprar antes da viagem, pode comprar lá mesmo no Bonete, só precisa encontrar. Eu usei os repelentes clássicos, um em spray  e outro em creme, ambos da mesma marca. Na verdade nenhum deles agiu como o esperado, notei que diferença entre um e outro é mesmo o tempo de duração, mas não são tão eficazes contra borrachudos. Também levei aquela pulseirinha, mas não funciona. Talvez funcione em áreas com outros tipos de mosquitos, ou aqui na cidade. Existe a lenda de que os borrachudos preferem picar as pernas e os pés, por isso muita gente fica o tempo todo de meia. Eu não sei se funciona, mas sei que além das pernas e pés eles picam qualquer outra parte do seu corpo. Aliás, cuidado ao tomar sol na praia com o bumbum prá cima, hahaha.

DIA 2 – BONETE

IMG_0045PRAIA-PRAIA-PRAIA! A previsão era de chuva, mas fomos agraciados com um dia lindo e ensolarado. A praia é ótima, ouvi muita gente dizer que ali o mar é bravo, mas até nisso tivemos boa sorte, pois o mar estava calmo, e a água muito convidativa!

Café-da-manhã

Sobre o café da manhã, se você não tiver local para fazer o seu, conseguirá encontrar andando pela vila. Nós fomos até o estabelecimento de um caiçara, que servia tudo feito em casa <3: pão, café, bolo, suco… Ele também tinha à venda aquele repelente de óleo de citronela. Se você preferir um café da manhã com mais opções, pode procurar uma pousada, pois é possível pagar pelo café.

Almoço

As mesmas pousadas onde você pode pagar pelo café, oferecem almoço. Mas tem bastante restaurante por ali, pelo menos achei mais fácil encontrar almoço, do que café da manhã.

DIA 3 – BONETE / TRILHA / CASTELHANOS

Mais uma trilha. Desta vez para a praia de Castelhanos. Esta praia também possui outras alternativas além da trilha, você pode ir de carro, por exemplo.

A trilha do Bonete para Castelhanos tem X km. Meu grupo estava beeem cansado e não topou fazer a trilha toda, então fizemos metade de barco, a parte que sai de Bonete e vai até a praia de Indaiauba, que dizem ser a pior parte da trilha. Ficamos um pouco nesta praia, que aliás, é muito boa, mas cheia de pedras, e se deixar, a água te leva! Depois seguimos para cumprir o restante da trilha até Castelhanos. A trilha é beeem mais diíficil que a trilha para o Bonete porque como não é mais usada, pois é possível chegar à praia de carro, a mata já está fechando. Tem muita subida, muita subida mesmo! Quando fiz a trilha choveu, então estava bem fácil de escorregar. Aconselho a levar um bastão de caminhada, porque ajuda muito! Além das várias subidas, tem alguns atoleiros, que se não tomar cuidado, podem levar seu tênis embora, então use seu bastão para ver se está bom para pisar. Durante a trilha tem também muito tronco caído, tronco grande, que você tem que passar subindo nele, mas alguns você pode se agachar para passar, mas tem que tirar a mochila. E a cada tronco caído no meio da trilha eu me perguntava: Nem prá cair fazendo uma ponte sobre os rios né? Enfim…

IMG_0170_edit
Praia de Indaiauba

Mesmo tendo feito o início do caminho de barco, caminhamos ainda por cerca de 5 horas, até chegar na praia Vermelha. O último mirante antes de chegar lá é muito bonito! Você está num ponto muito alto e consegue ver toda a extensão da praia. Ao olhar para trás, você vê como a mata é fechada e se pergunta: Por quê que eu tô fazendo isso mesmo? Hahahahaha, mentira 😛 .

Uns poucos metros antes de chegar na praia, tem um rio para atravessar que é perigoso passar com a mochila. Eu passei pulando nas pedras, mas tem que tomar muito cuidado para não escorregar, porque estão cheias de musgo. Nesse local também há uma bifurcação, onde o lado errado vai te fazer dar uma volta maior, ou seja, perder tempo. O lado certo a seguir é o direito. Aproveite para reforçar o repelente neste momento!

Neste rio encontramos um caiçara que ofereceu barco para nos levar até Castelhanos, mas dissemos não (não me pergunte a razão, ainda estou tentando entender…). Andando mais um pouco, passamos por uma casa com um cachorro maravilhoso que não parava de latir e parecia bem bravo (li sobre ele num outro blog, parece que se chama BARULHO, veja só). Ainda bem que ele não apareceu, pois pelo o quê li ele morde.

Ali na praia Vermelha não se pode acampar, ainda bem, porque iam acabar com o lugar rapidinho. A praia é pequena, mas muito bonita, só tem os caiçaras mesmo… e seus cachorros <3.

Encontramos ali na praia, o mesmo menino que estava no rio oferecendo o barco, ele já tinha chegado, e até trocado de roupa. Conversamos com o pessoal ali, eles nos disseram que ainda tinha mais ou menos uns 45 minutos de trilha até Castelhanos, daí pensamos: 45 min de trilha para eles deve ser no mínimo mais de 1 hora para nós, como estávamos beeeem cansadas, resolvemos ir de barco.

Durante toda a trilha, não aconselho nunca a olhar para a frente para não desanimar, olhe sempre para o chão e stay strong!

DIA 4 – CASTELHANOS / SAMPA

Castelhanos é uma praia linda, aconselho todos a visitarem!  Infelizmente o tempo estava fechado, então não deu  para aproveitar muito da praia, mas eu com certeza voltaria! Como essa praia tem acesso por carro, ela acaba tendo uma infra maior que o Bonete, então você consegue campings com água quente com mais facilidade, sem precisar se estapear para ver quem chegou primeiro. Não andei muito por lá, então não vi muitas opções de restaurantes. Sinceramente, no quesito refeição achei o Bonete melhor. Também não achei local que vendesse sorvete :/

Agora a parte mais chata: IR EMBORA 😦

Bom, você pode voltar para Ilhabela de Off-road, que foi o quê fizemos, e é muito legal. Na verdade, creio que se você foi através da trilha e não tem ninguém te esperando com carro ou moto, o jipe é a única opção mesmo.

Então é isso! Obrigada por ler (:

Central PANELAÇO

Hoje vi na página do Ratos de Porão no facebook, a informação de que agora tem uma loja física vendendo aqueles produtos que tem no site da banda.

1509693_650115525056508_1403823782_n
Ratos de Porão

Segundo o que eu li lá, na loja tem: discos (novos, usados, fora de catálago e raros). Os estilos vão de New Wave à Punk, passando por Metal e Classic Rock.

Além dos Lps podemos encontrar na loja camisetas, merchandising do #panelaço, #tikinervioso #ratosdeporão e #hermeserenato, e bonecos (bonecos colecionáveis, não brinquedos de criança).

Quem tiver dotes culinários (ou não), encontra na loja comida vegana, aquela pimenta que o João Gordo sempre fala no #panelaço, a SRIRACHA (que é muito boa aliás), e os temperos que o João já vendia pela loja virtual (agora é melhor porque não  tem prazo de entrega).

Vai lá conhecer!

Central Panelaço – (Galeria de Arte Centro Cultural) Rua Conselheiro Carrão, 451 (esquina com 13 de maio) – Bixiga – aberta das 10 às 20h.